14 de novembro de 2013



Hoje eu acordei com vontade de te escrever... Mas aí eu tô aqui pensando oq eu poderia escrever pra vc que já não tenha dito... Se ainda existe alguma forma de te dizer que eu te amo, que eu te quero... Eu olho alguns textos que já fiz antes e não consigo pensar em algo mto diferente daquilo que já disse. Cheguei a pensar que estava em crise de inspiração, mas percebi que não é isso. Primeiro que um poeta uma vez disse que só se era capaz de falar de amor, quem conseguiu ter a dádiva de conhecer o amor da sua vida, e que nunca faltarão palavras para se falar, para se expressar todo sentimento que o amor pode trazer. E foi por isso que eu entendi aquela frase que diz que amor quando é de verdade, não pode ser explicado e definido com algumas palavras. 
Então dá pra entender a necessidade que às vezes eu tenho de escrever... É essa necessidade de conseguir expressar todas essas coisas... As vezes eu confesso ser frustrante, porque não dá... Eu queria conseguir te fazer entender o quanto eu te amo, o quanto eu sinto bem em acordar todos os dias e saber que encontrei o amor da minha vida, como é gostosa a sensação do friozinho na barriga cada vez que sinto vc me tocar... O quanto eu amo cada conversa, vada risada, cada troca de confidencias, cada minuto que eu tenho e é compartilhado com vc.  
Então bem... Só preciso me conformar que não vou conseguir expressar pra vc todas as coisas, mas isso não é ruim... As tentativas me fazem escrever sempre, me fazem buscar alguma palavra ou alguma forma que eu ainda não tenha usado para dizer de diversas maneiras o quanto te amo...
E eu amo... Muito mais do que eu sou capaz de amar, do que sou capaz de querer, de imaginar que seria possível... E obrigada por isso, obrigada por me mostrar o quanto posso ser feliz em te amar, em ser também amada, em querer viver ao seu lado todos os dias... 
Pra sempre x) 

8 de novembro de 2013


Resumindo: uma merda! 
u.u

6 de novembro de 2013

Devaneios Noturnos V

Achei graça quando hoje mais cedo as pessoas resolveram discutir a minha vida amorosa independente da minha opinião, ou dos meus sentimentos. Aliás, tratar dela como se fosse de qualquer pessoa, que não estivesse ali presente ouvindo tudo. De início eu confesso que nem me importei. Até porque falar de pessoas que já passaram na minha vida e hoje não fazem mais parte dela, não faz a menos diferença. Mas aí a passar a falar dos meus sentimentos pela pessoa que eu considero amar,já é um pouquinho demais. Na verdade, não é falar o que perturba. É duvidar. É dizer que as coisas que eu sinto não passam de um amor platônico, que quando eu encontrar alguém "de verdade" aqui, que vai supostamente estar ao meu lado, tudo isso passaria... Bom, o que eu tenho para dizer para vocês é que estão completamente enganados. O que eu sinto é muito mais do que uma paixão platônica. Aliás, o meu conceito de paixão platônica deve ser bem diferente, pois para mim a paixão platônica é aquela inalcançável, aquela que é impossível de acontecer, que não é correspondida. E bem, acho que já tenho provas suficientes para dizer que o meu amor não se encaixa em nenhuma desses "pré-requisitos". Eu sei que não é fácil para quem está de fora conseguir classificar esse sentimento, mas honestamente, não percam tempo tentando. Primeiro que eu mesma não consigo descrever exatamente o que seja, pois é grande demais, é forte demais, é real demais para se descrever apensas com "amor". Eu aprendi com um certo tempo que existem certos tipos de amor: O platônico, como já citei antes, o de amigos, o familiar, o possessivo/doentio, o que ilude, o que não vale a pena, o que não é correspondido, e aquele que simplesmente não existe. E já passei por praticamente todos eles e posso dizer que absolutamente NADA se comparar ao que eu tenho agora. Sim, eu tenho! Além de sentir, eu finalmente tive a dádiva divina de poder recebê-lo de volta. E não é nada comparado a isso, a esses amores anteriores, e acredito que infelizmente apenas uma minoria tenha o prazer de ter experimentado. Infelizmente mesmo! Se alguém me perguntasse o que eu desejo para os meus melhores amigos, eu diria que um amor como o que eu tenho. Que supera tempo, saudades, desentendimentos, distância... Acho que o que mais me chateou nessa história toda foi isso... Ouvir as pessoas reclamarem da distância das pessoas amadas e fazer disso um drama sem fim. Bom, eu dou todo o direito, afinal é o seu tipo de amor. Mas não me venha dizer que é insuportável ter o amado a míseros 420km de distância por alguns meses do ano, ou que só poderão estar juntos há cada 15 dias. Eu queria te pedir para neste momento refletir um pouco. Pense em não 420km, mas 2000km... Pense em não só alguns meses separados, mas anos. Pense não em encontros que ocorrem a cada 15 dias, mas 1 vez por ano, e extremamente rápidos. Pensou? E  mesmo assim vai insistir em me dizer que o que eu sinto é platônico? 
Não quero que ninguém tenha que passar por isso, porque essa parte da historia realmente não é interessante. Mas ela hoje é inevitável... Hoje eu aprendi a usá-la de forma menos dolorosa. A usar a falta, a saudade tão insuportável de cada beijo, de cada abraço, de cada toque, de cada troca de olhares, de cada arrepio, de cada gemido... A usar essas coisas para me dar forças todos os dias para continuar, para lutar, para me impulsionar a querer esse amor mais forte, a querer estar perto do outro todos os dias. É ISSO, exatamente isso que faz tudo diferente par mim. Então não venham me dizer que eu não sei o que eu sinto, que eu não sei o que eu quero, que eu não sei amar. Eu sei. Com cada parte de mim, e de uma forma que eu nem imaginava existir, ou ser possível. Mas que mesmo com todas essas dificuldades eu sou grata. Eu agradeço por Deus me permitir sentir isso de forma tão intensa, de forma que sei que não vou sentir (e nem quero) por mais ninguém...
Talvez por isso hoje tenha doído tanto... Eu fui fraca, eu assumo... Mas eu segurei por 10 meses. Eu não havia derramado uma lágrima sequer por causa disso. Porque eu tinha prometido pra mim mesma que eu não o faria... Mas desde que eu ouvi: "Mari sabe bem como é aguentar ficar longe de quem ama"... É, eu realmente sei.. E não é fácil. Não é NADA fácil. Hoje doeu, e na verdade ainda está dolorido... Acabei cedendo a saudades, e eu não fazia a mínima ideia que estivesse  tão grande. Doeu, que enquanto as lágrimas rolavam me faltou ar, me faltou chão, me faltou o abraço que eu mais queria... Gritei na esperança que ela passasse mais rápido, porque aquela dor parecia insuportável. E quanto mais eu me lembrava de cada momento compartilhado, era pior. Minha memória me traindo friamente... Por um momento eu me rendi por completa a todas aquelas sensações que eu reprimia... O gosto do beijo, o calor do abraço, do cheiro, das puxadas de cabelo gostosas, do friozinho na barriga, das risadas, das conversas... Por um minuto eu me permiti que a saudade absurda daqueles dois dias me dominassem... Até eu me lembrar do primeiro "eu te amo", e ter que parar porque ficou insuportável... Eu não quero que sejam só lembranças de umas férias perfeitas... 
Foi aí que quando dei por mim estava rezando... Pedindo a Deus que não permitisse que tudo fizesse apenas parte das minhas lembranças, que eu sabia que se nesse tempo todo Ele permitiu que sentisse tudo isso, não seria em vão... Então eu pedi com toda a minha fé, que Ele permitisse que pudéssemos ficar juntos de novo, que Ele me deixasse ser feliz com quem eu amo. Que permitisse que eu vivesse a minha grande historia de amor, e que fosse logo,  porque a distância estava castigando demais, e não era justo... Por que eu não poderia ter essa chance? Por que a minha felicidade é tão difícil? ... E de repente meu coração se acalmou, e aquela dor toda sumiu... Eu não sei se interpretei as coisas todas de forma correta, mas eu quero acreditar que foi um sinal que isso tudo vai passar logo... Que eu não vou precisar esperar mais um ano pra ter dois dias perfeitos. Que não vou precisar sentir tantas saudades porque logo as coisas vão se resolver... Então agora meu coração bate bem mais leve, bem mais tranquilo, e com a certeza de que  voltarei. Ter os meus melhores beijos, meus melhores abraços, meu melhor colo, o meu melhor amigo, o meu melhor amor, ao meu lado todos os dias, sem esses malditos 2000km para manter tudo longe...

Hoje serviu para me provar que eu ainda consigo ser forte, que eu tenho forças, e eu vou lutar pelo meu amor, pelo final feliz... Serviu par me dar a certeza que eu escolhi a pessoa certa para amar, que o futuro não é tão incerto. Que a vida pode estar difícil, mas todas as batalhas diárias vão valer a pena, quando eu abrir os olhos pela manhã e a primeira coisa que eu enxergar for o amor da minha vida ao meu lado, e poder pensar com toda certeza do mundo: "Desta vez eu não vou a lugar algum..."