31 de dezembro de 2013

Então chegamos...
Finalmente ao último dia de 2013... Queria poder fazer uma retrospectiva até para daqui alguns anos eu voltar aqui e ler, e perceber o quanto esse ano foi diferente de tudo que eu tinha planejado ou sonhado...
Mas acredito que não vou conseguir me lembrar de todas as coisas. Talvez eu consiga fazer um "resumo" por mês no ano que vem, para  facilitar essa tarefa futuramente.
Porém, mesmo  sem retrospectiva, 2013 foi (eu é, já que ainda é dia 31) um ano que me deixa saudades. Foram decisões importantes que eu tive que tomar, algumas que tiveram de serem tomadas por mim, mas de todas as formas, foi um ano importante. Não, a minha lista de metas não foi totalmente atingida, mas a maioria das coisas que eu pude presenciar e viver nesse ano, eu não tinha nem planejado. Provavelmente esse seja o motivo por ter o tornado mais especial que os outros (até agora).
Comecei o ano muito bem.. Viajei. E não foi uma viagem qualquer... A viagem antes de mais nada foi a melhor forma que encontrei de "fugir" daquela realidade que estava vivendo há tanto tempo, e que estava me deixando louca! No auge do estresse. De forma que meu corpo inteiro gritava para eu parar e meus livros - meus fiéis refúgios sempre-, minhas músicas, meu velho caderno já não estava dando conta mais... Viajar foi ótimo para meu espírito, para minha cabeça, para meu corpo. Era algo que eu precisava para mim mesma. E melhor ainda por ter sido da maneira que foi: sozinha. Sem pai, mãe, irmão, ou ninguém para ter que dar satisfação por 15 lindos dias, nas melhores prias, desfrutando de ótimas companhias, me reconciliando comigo mesma. 
Claro que ganhei o bônus de ter conhecido finalmente alguém que eu achava que só existia em alguns dos meus sonhos. E como foi bom poder colocar as coisas no lugar quanto a isso. Quando eu cheguei em casa, eu sabia que era outra pessoa, eu sabia que estava diferente absolutamente tudo. Eu ia começar 2013 como eu nunca havia planejado e não poderia ter escolhido melhor forma.
Eu voltei e percebi que precisava ter mudado alguns princípios na minha vida há muito tempo. o primeiro deles: Parar de importar tanto com a opinião alheia e querer fazer as coisas por mim. Segundo: Parar de querer agradar todo mundo e passar a me agradar. Terceiro: Externar mais as coisas que eu estava sentindo/pensando; nem sempre o meu caderno poderia me ajudar quanto a isso. 
Foram desafios novos quanto à minha personalidade, que eu abracei com toda força. Claro que houveram momentos que foram mais fáceis de se aplicar essa nova metodologia, em alguns outros, nem sempre...
Mas foi ótimo! Eu pude perceber assim muitas coisas, pude avaliar melhor outras. Pude ter cabeça fria na maioria das vezes que algum problema aparecia... Pude tomar decisões por mim mesma, e arcar com as consequências delas sem se preocupar com quase ninguém. Foi fácil? Não está sendo. Mas seguir adiante com isso, já faz parte de não importar com a opinião alheia.
Tive força maior para correr atrás do meu sonho do curso novo, apesar de que eu ainda não consegui realizá-lo. Mas tomei isso como uma valiosa lição. Aprender a esperar no tempo de Deus, e da forma como Ele planejou o melhor para mim. Na hora certa, vai acontecer... Como me disseram uma vez "existem aquelas na vida que vencem, e aqueles que desistem no meio do caminho". Portanto, eu retiro forças (às vezes não sei de onde) para continuar todos os dias... Na hora certa, vai dar certo...
2013 também foi um ano de sem dúvida alguma fortalecer e renascer a minha fé. Deus me deu provações que eu achava não ser capaz de cumprir. Mas se Ele nunca dá uma cruz maior do que aquela que podemos carregar, eu aprendi a não ter medo dos desafios que Ele me propõe todos os dias. Foi maravilhosos poder participar da JMJ, poder viver tudo aquilo, poder perceber que eu não estou sozinha no mundo. Que existem outros tantos milhões de jovens que têm a mesma fé que eu, que acreditam nos mesmos valores que eu, que esperam o mesmo que eu. E fiz muitos amigos... Aqueles que nasceram pela fé, que tenho certeza, Deus ainda vai fazer com que permaneçam muito tempo na minha vida.
Nesse ano também tive um "caso" amoroso na falta de palavra melhor, e no início foi até divertido... Afinal, é bom partilhar nosso dia com outra pessoa. Mas também foi bom para me fazer perceber várias coisas. A primeira delas é que existem pessoas capazes de muita coisa por sexo, e eu deveria ser menos ingênua com algumas cosias. Segundo que aprendi que homem quando se apaixona e você não consegue correspondê-lo, ele fica um pé no saco. Terceiro, eu descobri que não consigo gostar e nem pensar em me apaixonar por outra pessoa agora, por mais que tentem me forçar a tal feito. E descobri também que consigo tomar antipatia muito fácil pelas pessoas.
Descobri também que exercícios físicos realmente fazem bem, e hoje o meu corpo não consegue mais ficar sem. Se falto uma aula de pilates, já amanheço dolorida no outro dia. O que chega a ser irônico, por que se vou na aula, amanheço mais dolorida ainda no outro dia. Mas faz parte. Meu coração precisa disso, e descobri que é uma boa terapia para o corpo, para a mente e para mim de um modo geral. Pode ser que em 2014, eu incorpore mais alguma coisa à lista de afazeres físicos, mas esse ainda é um caso a se pensar.
Falando em terapia... Completei um ano de acompanhamento psicológico. E apesar de todos os protestos da minha mãe dizendo que não faz nenhuma diferença na minha vida, eu percebi muitas mudanças. Principalmente em relação à ela. Aprendi a ser mais paciente, a falar as coisas que penso, a ignorar tantas outras que ela me diz, a ouvir algumas outras também; a não ficar remoendo quando ela diz algo que me machuca... Assim vale também para meu pai e meu irmão. Confesso que nunca achei que ficar calada e me "desligar" de algumas coisas fosse tão eficiente. E não, não é fácil. Algumas vezes é difícil de o cérebro cumprir ordens tão simples assim, mas dizem que com a prática vem a perfeição. Vejamos onde eu dou conta de chegar...
E acho que o mais importante, foi que aprendi a fazer uma pequena "faxina" no meu círculo de amizades. Fazer aquela frase 'dê valor a quem te dá valor" ser verdadeira. Cansei de correr atrás de quem não merece minha atenção. Ou ficar tentando ir atrás das pessoas quando não mereciam nem meu bom dia. E aprender a excluir ao invés de perdoar sempre... Às vezes, muitas delas, foi um processo doloroso. Mas hoje percebo o quanto foi eficiente aprender essas pequenas coisas.
E acho que assim foi o meu 2013... Um ano definitivamente de mudanças. e hoje eu ponho em uma balança e percebo que essas mudanças foram positivas. Pelo menos pra mim, que é o que verdadeiramente importa. E eu espero eu para 2014 eu consiga finalmente fazer uma lista de metas em que possa cumprir boa parte dela, e que seja um ano doce... Tanto quanto esse foi... Cheio de surpresas, cheio de mudanças, cheio de coisas ótimas que me aguardam. São 365 chances de ser feliz todos os dias, e eu não pretendo desperdiçá-las...