18 de dezembro de 2014



Quando tudo de repente desmorona muito rápido e você não consegue segurar...

11 de dezembro de 2014


Você precisa de um colo, mas não consegue ninguém a quem recorrer... 
Você quer uma pontinha de esperança, mas não consegue nada para se agarrar...
Você quer que tudo isso acabe logo, mas só dói cada vez mais...
E é difícil respirar...
  
     

5 de dezembro de 2014

Ele ainda me faz sorrir... 
Mas ao mesmo tempo, ele ainda consegue quebrar meu coração. Ou ao menos bater, machucar mais, fazer algumas novas rachaduras... 
Ele ainda me faz suspirar... 
Mas ao mesmo tempo me faz chorar de raiva, de frustração, de raiva de mim mesma... 
Ele ainda faz meu coração bater mais forte... 
Mas ao mesmo tempo, ele não me deixa juntar os caquinhos e reconstruí-lo de novo. Ele sempre o quebra antes. 

E aí você chega naquele ponto que não sabe o que faz, não sabe como agir, não sabe o que pensar. As coisas deveriam ser mais simples, eu sei. Mas as vezes o amor consegue ser bem idiota. Bem idiota mesmo! 
Sumir definitivamente seria mais fácil do que ter que encarar essas coisas todos os dias. Mas eu não consigo. Pensar em ficar sem ele dói, muito mais que qualquer dor que ele possa estar me causando agora...
Dói de qualquer jeito na verdade, e eu não quero me acostumar com a dor, eu não quero me acostumar com a situação, eu não quero deixar que isso me faça ficar onde estou. Eu quero um rumo, e eu sei que nonguém vai me dar isso, que só depende de mim mesma. Mas como achar um rumo, se você não tem noção nem de que direção tomar? Não é que eu tivesse que ter impedido essas coisas há 5 anos. Já vivi coisas  maravilhosas por conta disso, e não me arrependo de nada. Só queria que fosse menos doloroso, que fosse mais fácil, que fosse mais feliz...


2 de dezembro de 2014

The Book Thief

Escrevendo ainda com algumas (muitas) lágrimas depois de assistir ao filme sobre a menina que roubava livros. Na verdade, eu estava assistindo mais por uma obrigação, pois ele cairá no vestibular desse fim de semana. Digo obrigação porque quem me conhece sabe da minha resistência em relação a ao livro que baseou o filme. Foi um livro que tentei ler pelo menos umas três vezes, e não consegui sair do mesmo lugar. Não me perguntem porque, mas não fiquei morrendo de amores pela história. E olha que eu sou uma pessoa apaixonada pela Segunda Guerra Mundial.
Calma, apaixonada no bom sentido. Não sou nenhuma admiradora de Hitler, pelo contrário, acredito piamente naquela história em que dizem que ele era um dos anti-Cristo que estavam anunciados por vir. Mas então, o filme mudou muita coisa. Para explicar melhor, vou esclarecer porque eu gosto (gostava, aliás) tanto da Segunda Guerra. Primeiro porque eu aprendi a estudar a II G.M. como uma matéria de história, e eu gostava de ver como a capacidade do ser humano em conseguir deslanchar acontecimentos por coisas "simples", como a morte "acidental" de um Duque dar início a maior guerra que esse planeta já presenciou (e dar origem ao nome de uma das minhas bandas favoritas, diga-se de passagem). Como as pessoas eram capazes de acreditar em alguém que dizia existir uma raça superior, até onde o ser humano era capaz de chegar pelo poder. Como um mundo inteiro parou, e se uniu, ou se odiou por isso. É a parte psicológica de tudo que me faziam passar horas estudando tudo isso. E eu sempre via colegas minhas dizendo que não aguentavam estudar essa matéria, porque era muito triste, ou as deixavam pesarosas. Minhas consciência chegava a pesar por não me sentir da mesma forma, mas foi então que percebi que sempre vi a II G.M. como números. Apenas números. 6 milhões de judeus dizimados, milhões de pessoas mortas, dinheiro, armas... Nunca pensei no que isso realmente significava, nunca pensei nas famílias que vivam naquela época e não escolheram viver tudo isso. Não que eu seja inocente para pensar que isso não existia e  era só uma história que meu professor contava tão bem na sala de aula. Era exatamente para não me envolver... 
Talvez por isso eu não quisesse me envolver com o livro, terminá-lo, ou dar uma chance para que ele me conquistasse. Porque o livro conta a historia vista de baixo, porque quem vivia em uma Alemanha que não escolheu viver, que não teve escolha, que não pode gritar pelo direito de liberdade. Eu não queria tornar aquilo tudo real para mim. Mas o filme acabou fazendo tudo isso. Foram 125 minutos que me fizeram repensar muita coisa... Principalmente pensar sobre aquelas pessoas que nunca nem souberam que foram perseguidas, ou quantas famílias foram destruídas pelo ao egoísta de apenas um homem. E ao contrário do que eu pensava, existiam pessoas que não se encantavam por seus discursos, mas era obrigados a engoli-los por amor à própria vida e à da família. 
Da para se perguntar sim onde estava Deus no holocausto, porque a crueldade era enorme... E olha que esse nem foi um dos temas principais do filme, na verdade, passa quase que abatido. Mas a história de Max definitivamente foi a que mais me comoveu... Deus estava com cada um desses judeus que foram perseguidos por sua fé, por acreditar em algo maior e não abrir mão disso. Morrer por um amor maior. Mesmo que as crenças dos judeus sejam diferentes da minha, mas eles tiveram fé e não desistiram, mesmo que sem chance de lutar.
Muitas vidas foram arrancadas e de forma injusta. Muitas coisas foram feitas quase que de forma irracional. A morte era quase que uma visita íntima nas casas das pessoas, e mesmo que não fosse convidada para entrar, ela foi implacável, e carregou tantos quanto podia. 
Eu não sei bem porque necessariamente resolvi escrever sobre o filme, mas eu queria de algo que e fizesse parar de chorar, e o filme foca muito nessas coisas... A forma como a leitura e a escrita salvam a vida daquela menina e daquele rapaz, definitivamente vão ficar gravados em mim. Talvez seja isso mesmo. Seja a escrita de alguma forma mantenha a minha "loucura" presa em alguém lugar, e não me faça perder no caminho. Assim como a minha fé. Que é meu alimento maior e é o que me faz levantar todos os dias, e me mostrar o dia lindo que me espera, sem guerras, sem lutas, sem medo, e princialmente com a minha liberdade... 

Para falar um pouco sobre amor...

Texto para ler ouvindo: https://www.youtube.com/watch?v=eAeteudJ5g0



Hoje eu resolvi falar sobre amor. Passei o dia inteiro pensando na verdade o que seria esse sentimento e porque ele consegue ser tão ridículo. No bom sentido, eu acho. Mas o pensamento na verdade foi sobre como um único sentimento pode se manifestar de tantas formas diferentes, em pessoas diferentes e em momentos diferentes. E em como ele pode se transformar em uma facilidade única em ódio, raiva, rancor, tristeza, mágoa... Então porque um sentimento como esse ainda é algo bom? Ainda é considerado por muitos o desejo maior da vida, encontrar ser verdadeiro amor? Como um sentimento que pode causar tantas frustrações, pode ao mesmo tempo ser tão almejado?
Na verdade é bem simples. Da mesma forma que ele se transforma em todas essas coisas, ele pode voltar a ser amor. É estranho eu sei, mas eu consegui compreender isso depois de um tempo, depois de perceber que quando você realmente ama de verdade, você passeia por esses sentimentos constantemente, mas no fundo, tudo volta a ser amor. Às vezes ele pode voltar no tempo, às vezes volta tarde demais e passa a ser apenas uma lembrança de dias bons ao lado de alguém que um dia você achou que iria compartilhar a sua velhice e viver para sempre. 
O amor é engraçado, porque eu descobri que só poderia entendê-lo quando parasse de tentar. Ele se desenrola na sua frente e mostra que enquanto continuar tendo esse orgulho idiota, ele não pode ocupar um espaço na sua vida. Que ele quando chega, trás algumas coisinhas com ele na mala, como o ciúmes, a insegurança, o medo da perda... Mas que são coisas normais, necessárias para que o amor cresça. Mas que em excesso essas coisas ocupam o lugar dele, e ele foge sufocado. Entendi que ele sempre vai ser confuso, que ele dificilmente vai saber o que realmente quer, que vai gritar por atenção muitas das vezes e vai ser impaciente em outras. Mas se cuidado com bastante zelo, será maior que tudo no final.
Foi por isso que eu percebi que quando conheci o amor de verdade há alguns anos, ele chegou com essa bagagem completa, e entregou uma parte enorme de mim para que outra pessoa cuidasse. Nem sempre os cuidados serão minuciosos, mas serão aqueles necessários. E sei que as chances de conseguir ganhar esse pedacinho de volta, são mínimas. Por isso, meu coração vai ser quebrado... Muitas vezes e pela mesma pessoa. Mas essa mesma pessoa vai ser capaz de reconstruí-lo, quantas vezes for necessário... Não, não é algo que eu goste, ou que eu aceite. É algo que eu já percebi que vai acontecer... Pra sempre? Não, eu tenho certeza que não. Só até eu conseguir uma forma de tomar esse pedaço de volta, ou então, ele aprender o qual frágil isso que ele carrega é, e evitar ao máximo trincá-lo, machucá-lo ou até mesmo quebrá-lo. 
Amar não é tarefa fácil. Ninguém nunca disse que seria. Também nunca me disseram que seria tão difícil, mas me disseram que vale a pena... Se apaixonar não é de todo ruim, afinal. É doloroso, mas os momentos juntos, aqueles momentos únicos, aqueles momentos que ninguém mais vai ser capaz de te proporcionar... Eles valem a pena. 
Se estou pronta para essa montanha russa? De forma alguma. Eu queria poder simplesmente achar um botãozinho de "stop" e fazer essas coisas sumirem. É muito complicado para entender, para viver, para querer... Mas não está no meu controle... Eu não escolho sofrer, mas escolho crescer e tentar aproveitar tudo da melhor forma possível. 
Então senhor "melhor sentimento do mundo"... Se quiser fazer as pazes comigo, estou a disposição para escutá-lo, talvez entrar em um consenso, e podermos achar o melhor caminho para andarmos por essa vida, que sem você, definitivamente, não tem tanta graça...




22 de novembro de 2014

Devaneios de meio da tarde III

Esperar... Essa pequena palavrinha que as vezes pode significar a eternidade. Essa pequena palavrinha que pode me custar todo o restante das forças que eu tenho. Essa palavrinha que tantas vezes é a que eu tenho que me apegar para não desmoronar, para não jogar tudo para o alto e desistir, ou não sei... Apenas sair dessa estado em que me encontro.
Esperar às vezes, ou na maioria delas, pode ser a única alternativa quando você percebe que não pode fazer mais nada, que já se esforçou o quanto podia, que já fez tudo que encontrava a seu alcance, que já pensou em todas as possibilidade e percebe que não consegue encontrar nenhuma diferente. 
Esperar... Pelo que?
Teoricamente pelo melhor, por algo que te faça valer a pena todo o esforço, todas as renúncias, todas as crises, todos os dias cinzas...
Esperar pelo dia de sol, pelo dia bonito, esperar por aquilo que necessariamente vai te fazer feliz, te fazer sorrir a toa, te fazer se sentir leve, sentir que o tempo não passa, sentir que a vida realmente foi feita para se viver.
Se eu estou idealizando tudo isso, e vou morrer querendo viver uma história assim? Talvez... 
Talvez no fundo eu realmente tenha paciência para esperar por essas coisas, talvez eu sempre venha a estar esperando por algo, talvez seja esse o sentido de tudo afinal. Fazer algo esperando por um grande talvez lá na frente (obrigada João Verde por isso). Ou talvez não. Talvez o meu destino (e da grande maioria) seja apenas realizar tudo aquilo que acredita e no fim não conseguir encontrar o que se estava esperando. Talvez a vida sempre vai ser cheio de "vazios", de "talvez", de coisas que não serei capaz de entender. 
Talvez no fundo só em reste esperar, só me resta fica aqui, mesmo que sem forças, mesmo sem perspectiva, mesmo que o cansaço fale mais alto. Mas esperando e tendo fé que algo melhor vai acontecer...

Música do dia, da semana, do mês, da vida...

16 de novembro de 2014



Da série: músicas que traduzem momentos...

2 de novembro de 2014


Quando você queria chegar em casa e poder contar com aquele abraço único...
Mas você não pode...

26 de outubro de 2014

God's Not Dead


Quando um filme muda tudo...
Eu realmente não esperava nunca tanta coisa linda, tanto aprendizado em 53min de um filme que tinha tudo pra ser só mais um falando sobre Jesus. Deus Não Está Morto é muito mais do que isso... Te faz refletir, não só você que não acredita nEle, mas principalmente você, ou eu, quem acredita.

É uma reafirmação na fé que todo mundo deveria de ter. Foram as mensagens certas, no momento certo... Porque eu tenho um Deus que me ama incondicionalmente, e sempre vai preparar aquilo que é melhor para mim... E se mesmo assim eu escolher não segui-LO, Ele vai me acolher quando eu resolver voltar, Ele vai enxugar as minhas lágrimas, Ele vai me amparar, e Ele seria capaz de morrer novamente em uma cruz só para me salvar, porque seu amor é incondicional...

Depois de hoje, eu só tenho a agradecer, Senhor, pelo seu amor. Por não desistir de mim nunca, por ser a minha esperança e o que me impulsiona a seguir em frente todos os dias. Obrigada por me mostrar o amor perfeito, e me dizer que eu não preciso de mais nada, que isso me basta....
Porque o meu Deus, Ele não está morto....

13 de outubro de 2014

Romances.. É nisso basicamente que a minha vida fora estudos - sim, por incrível que pareça, ainda me resta uma vida assim- anda se baseando. Eu sei, é um pouco deprimente, mas se pensar bem, foi uma forma quase que "saudável" de conseguir passar por tanta coisa. 
Quando você se depara em certo momento da vida em que percebe que a sua vida amorosa simplesmente parece estar fadada a não dar certo, viver os romances de outras pessoas não é má ideia. Mas esses dois livros particularmente me chamaram atenção. Eles acabaram de chegar para mim, eu não os li, porém são histórias que de certa forma me tocam... Um por se tratar de um amor que aparentemente o tempo e a distância não deixam dar certo, o outro por se tratar de alguém que precisa reviver seus sonhos de adolescente para seguir a vida. Não têm muito a ver um com outro, eu sei. Mas eles se parecem comigo... 
Eu estou ansiosa para conhecer Brett e ver o que ela fez da vida, as escolhas que ela tomou e o quanto isso pode ter afetado a sua vida adulta. Quando você está próxima de definir o seu futuro, por algum motivo, essas coisas passam a interessar mais. No fundo, espero que não tenha destoado muito, e se sim, que ela tenha conseguido encontrar a felicidade de qualquer forma. Afinal, é essa a grande questão não é? O encontro da felicidade? Quando ela finalmente vai vir bater a nossa porta e mudar o rumo das coisas, e mostrar que nem sempre os nossos planos são àqueles que estavam destinados para nos fazer felizes. Ou às vezes, a felicidade não chega arrancando portas, ou fazendo "barulho". Ela pode chegar de forma doce, sem que seja notada, e vai se acomodando a nossa vida, até percebermos que temos tudo que poderíamos ter. Veremos o que Brett tem a me mostrar...
E quanto à Mia... Deus... As vezes eu não gosto dela por ser tão parecida comigo. Ela tinha um sonho de ir para uma faculdade para o outro lado do país. Longe de tudo e de todos, mas uma acidente muda a sua vida por completo. E depois de 3 anos, ela reencontra com uma noite o grande amor da vida dela. Encontrar o grande amor da sua vida em um pequeno espaço de tempo... Sei bem a sensação desesperadora que é, Mia.. E espero muito, muito, que você possa ouvir seu coração seja quando ele bata mais forte pela música, ou pelo Adam... Não sei... Mas espero que eu te encontre uma pessoa diferente agora, e que as suas decisões possam me ajudar a enxergar lados diferentes de uma mesma situação. De qualquer forma, também espero que você encontre a felicidade.
Livros...
As melhores companhias, nas melhores horas... Os que me fazem rir, chorar, pensar, sonhar... Sair um pouco de mim e me permitir viver, nem que seja pela perspectiva de outra pessoa, outra vida. Me permite deixar de ser eu, e largar esse stress e essa carga tão pesada que às vezes eu carrego nos ombros. Se tornaram mais do que nunca  minha válvula de escape, minhas "viagens", meu refúgio, minha chance de felicidade...

5 de outubro de 2014

Devaneios de meio de tarde II




Alguns medos vc tem a impressão que já superou... Algumas angústias, algumas frustrações... Mas a verdade é que elas nunca te abandonam, estão sempre ali de alguma forma para te lembrar de tudo que podem causar. Em dias como hoje basta uma olhada no espelho, para que eu possa identificar o que dói. Aquela coisa que grita "vc não é boa o suficiente. Nem pra ele, nem pra ninguém, nem pra nada, na verdade". Quantas vezes eu já ouvi essa semana para desistir, para largar tudo e pensar em outras coisas, em outro futuro... Mudança... Aquela palavrinha que assusta tanto, porque você nunca sabe oq esperar depois que ela passa. Não é de toda uma má ideia, apenas não sei se quero mudar... Mudar meu jeito para que finalmente alguém me ame de volta? Não. Sempre ouvi que devemos amar as pessoas pelo que elas realmente são... É difícil, porque ser quem eu sou só tem me causado frustração, choro, insônia... Eu não aguento mais, essa é a verdade. Levar tanta patada na vida, enquanto eu me esforço e faço tudo que eu posso... Até quando? Até quanto eu vou ouvir "não"? Até quando eu vou ter que esperar minha vez pra poder bater no peito e finalmente dizer "eu sou feliz"?...

16 de agosto de 2014

Será que é exigir tanto assim? Que alguém sinta sua falta... Que alguém se importe com você a ponto de vir atrás.. De realmente se interessar se você está bem... Será que é pedir muito para que você seja aquilo que ele sempre quis? É pedir muito que você se torne aquilo pelo qual alguém lutaria...? Aparentemente é quase impossível imaginar que essas coisas um dia podem acontecer. Ou talvez os malditos filmes de comédia romântica tenham me estragado, e no fundo eu acabe achando se existe alguém que ficaria pelo menos cinco minutos do seu dia, perdido em pensamentos sobre um possível "nós"... Ou ainda que eu não tenha necessariamente encontrado essa pessoa, mas que isso ainda vai acontecer... Vamos nos  encontrar na rua e trombarmos, e quando ele me olhar nos olhos para pedir desculpas, eu vou sentir um frio na barriga e eu vou saber que o universo inteiro tinha conspirado para que aquele momento acontecesse. Ou vamos nos encontrar na fila de um café -quando eu começar a frequentar um- ou de um banco. Não importa... Nossos destinos estariam predestinados a se encontrarem um dia, e em um futuro -distante ou não- nos dedicaríamos a fazer um ao outro feliz. 
Definitivamente eu estou estragada. Ou talvez apenas carente demais, sonhadora demais, idiota demais. Eu nunca acreditei nas historias infantis em que príncipes apareceriam em cavalos brancos, ou vampiros em volvo cor de prata. Mas os filmes me fizeram acreditar que um final feliz talvez fosse possível.. Talvez por serem pessoas reais, por serem histórias até passíveis de acontecerem, se não fossem tão utópicas. Nenhum cara vai ser o Zac Afron que fica congelando em um parque por 4hs te esperando para tentar de novo. Nenhum cara vai ser o Justin Timberlake que contrata um flashmob e para a estação de metrô de NY, para declarar o seu amor. Nenhum cara vai fazer nada dessas coisas por mim, nem por ninguém. Ninguém vai ter fazer sentir que você vale a pena, que você é única, que você é o amor da vida de alguém. Essas ilusões são puramente femininas, e provavelmente as colocamos em nossas cabeças como uma forma de enxergar a vida de uma maneira menos dolorosa. 
Ouvi dizer há algum tempo, que nunca nos casaremos com quem amamos de verdade.  Talvez seja algo verídico. Talvez nós nem consigamos conhecer o amor de nossa vida de fato um dia. Afinal, são mais de 7 bilhões de pessoas no mundo, e absolutamente nada pode garantir que essa pessoa do seu lado é o seu "grande amor de estrelas cruzadas".
Não é ser pessimista, é ser realista. É difícil imaginar tudo isso, processar tudo e ficar pensando se há algo em que possa ser útil. E não existe... Talvez a dúvida de se “estar ou não acertando”, seja aquilo que nos impulsiona a acordar todos os dias e esperar por uma fila, por um encontro ao acaso, por uma apresentação amistosa... Algo qualquer, que possa ser a chance de sentir borboletas no estômago, ter a certeza que se sente completa, que encontrou alguém para chamar de "seu".
Talvez a dúvida seja o que vá fazer você se esforçar para fazer o outro feliz...
Acontece que eu estou a fim de ser esse "outro" para variar um pouco...



8 de agosto de 2014

Devaneio Noturno VIII

De repente você se torna refém do tempo, refém das palavras, das promessas... Mesmo você tendo certeza que elas não serão cumpridas. Se agarrar a algo assim é muito mais fácil do que se desprender. Praticar a lei do desapego é algo muito simples nas músicas e livros que leio. Na vida real as coisas são bem mais complicadas...
Se desapegar significa abrir mão de tudo que você já acreditou e lutou fervorosamente para defender um dia. É assumir que estava errado, que é fraco, que não aguenta mais caminhar com um fardo tão pesado, com uma bagagem que às vezes te impede de caminhar. O peso das memórias, das escolhas, do passado em si é muito maior do que o que estamos preparados para carregar as vezes. Seria mais fácil largar tudo no meio do caminho e começar uma caminhada nova em folha, colhendo novas coisas para se carregar nessa mala nova... Mas parece que o passado se apega em tudo em você e te obriga a arrastá-lo por onde você for. O passado se torna uma praga, daquelas que você não conhece um veneno bom o suficiente para externiná-lo de vez...
Você acaba se tornando refém de suas amarras, de suas tramas, de suas "ciladas" tão bem preparadas para te jogar na cara todos os dias aquilo que você tanto luta para deixar para trás...
Ninguém nunca disse que crescer seria fácil, e eu nunca desejei que fosse. Mas eu não queria que o processo fosse tão doloroso. Queria que o médico que me disse há alguns anos que eu sofreria de dores do crescimento, tivesse me dito que não se referia apenas às dores nos meus ossos, mas que o coração também é capaz de se machucar, de sangrar, de chorar...
Não, não é fácil, mas eu não quero ficar presa à estas amarras, eu não quero ser refém  do tempo. Eu quero andar para onde quiser, na velocidade que quiser, com quem eu quiser.. A busca pela felicidade é constante, como realmente deve ser. Mas está na hora dela começar a der proveitosa, enriquecedora, nova e principalmente... Feliz...



6 de agosto de 2014

As pessoas dizem que sofrer faz parte do crescimento... Tudo bem, eu aceito essa condição. Porém, eu não consigo aceitar a ideia de ter que sofrer por muito tempo. Para que? Qual o objetivo? Porque não doer tudo que tem de doer, chorar tudo que tem de chorar, pensar em todas as ideias suicidas que você pode pensar, e deitar a cabeça no travesseiro e ter uma merda de uma noite de sono, mas para no outro dia estar de pé e nova como folha? 
Por que temos de ter "estágios" do sofrimento? Por que prolongar algo que definitivamente não faz bem? Eu queria que a resposta fosse algo simples como "mas isso é uma escolha sua". Não, não é... Se fosse escolha minha, eu já estaria longe, teria apagado todas as memórias, todos os cheiros e gostos e estaria tentando viver a minha vida. Mas de repente, por causa desse maldito sofrimento tudo se arrasta, tudo passa mais devagar, tudo lembra algo que luto tanto para ser esquecido.
Desculpe-me, mas eu não vejo como algo tão desesperador pode ajudar alguém a crescer, a ser melhor, a esquecer de vez. 
Maldito tempo... Que castiga a cada segundo que passa no relógio e não faz as coisas ficarem mais fáceis. Sim, eu quero facilidade! Já apanhei demais da vida para continuar levando tanta rasteira, tanta apunhalada, tantas "lições de crescimento". Eu não quero crescer... Eu quero ser feliz... Será que depois de tanto tempo é pedir muito...? 



E todas as pessoas são um pouco monstros... 



4 de agosto de 2014


                                           

Amanhã as aulas começam, os novos projetos se iniciam e as coisas aos poucos vão sendo colocadas no lugar. Exatamente tudo que eu preciso... Ocupar a mente, parar de pensar no que não devo, parar de criar expectativas. Viver para mim, fazer o que eu quero, buscar os meus sonhos, mesmo que eu precisei mudá-los um pouco... 
Rotina... Nunca achei que fosse gostar dela, mas pelo visto ela será minha salvação...
Que venha o novo "começo", e que seja doce...

2 de agosto de 2014


Eh so um fds... É todo o tempo que vc precisa... 

1 de agosto de 2014


Eu só... Não aguento mais...

30 de julho de 2014

Esqueça tudo o que venho escrevendo nos últimos dias...
Eu tô cansada... Eu tô um lixo...Eu não consigo fazer absolutamente nada..é como se estivesse vegetando na cama nos últimos dias, e não tenho perspectiva de sair de lá... Não tem motivo, não tem estímulo...
Por que eu faria isso? de repete, eu olho para todas as coisas e percebo que nada mais faz sentido.. A quem eu estou tentando enganar, eu não to bem, to longe disso... BEM longe disso.
Comer virou algo que não é mais necessário, a não ser quando eu realmente si
nto que preciso... Dormir pelo visto também virou algo que eu não posso mais me dar ao luxo. Conversar...? Pff... Sobre qualquer coisa menos sobre mim, e sinceramente eu ando preferindo ouvir do que falar...
É estranho...Viver de repente se tornou estranho,se tornou quase que um martírio ou um peso... Os dias têm se arrastado e eu não consigo mais acompanhar... Antes eu achar que 24hs eram poucas para que eu conseguisse fazer tudo que eu queria, hoje eu percebo que não precisava de tanto tempo assim... 
É difícil acordar todos os dias... Eu de repente sinto saída de um encontro com dementadores e foi resgata pouca coisa antes do beijo...Parece que algo aqui dentro se perdeu e eu não consigo encontrar forças para poder buscar de volta. Pra que...? Já ficou provado que eu não ando fazendo diferença na vida de ninguém mesmo, ninguém anda fazendo questão de nada... Então me diz para que? Já me disseram e comprovaram que meu pais preferem meu irmão, que eu não tenho capacidade para passar em um vestibular, que eu não sirvo para ajudar minha mãe,que o cara que eu amo ama outra garota... Pra quê...? E sim, eu preciso de um motivo para viver todos os dias, um motivo para me arrancar sorrisos, um motivo para pensar em algo que seja produtivo. Não, eu não consigo encontrar.. Quando tudo em que você anda pensando são em maneiras como você poderia morrer, as coisas não acontecem tão claramente na sua vida.
Não é depressão... Pelo menos o meu psicólogo ainda não me disse isso... Ou talvez porque nem sobre isso eu queira falar com ele...Na verdade eu não quero falar obre isso com ninguém... Nem sei porque vim escrever... Na verdade, eu encerro por aqui... Não tem porque continuar de qualquer forma...



Eu desenhei algumas borboletas... Talvez seja hora de matá-las....

26 de julho de 2014

Para falar um pouco sobre nós...


E que seja sempre constante a vontade de estar junto, a vontade de só fazer bem, a vontade de fazer feliz, se SER feliz...
A vontade de ter você ao meu lado, a vontade de ser sua e ter você para mim...

Que sejam constantes os risos. os beijos, os abraços, as mordidas, os olhares de cumplicidade, os apertos, os pensamentos, que sejamos contantes... Que sejamos um, mas ao mesmo tempo dois que sabem somar, dividir e multiplicar.. Que saibamos também subtrair aquilo que não faz bem, aquilo que nos afasta, aquilo que não pertence à nós...

Que tenhamos sempre a força para continuar e seguir em frente mesmo quando tudo nos puxa para trás... Que tenhamos força para pedir desculpas quando necessário, e deixar o orgulho de lado para resolvermos nossos problemas...

Que tenhamos fé na vida, um no outro, fé em Deus que as coisas estão reservadas para nós e que vão dar certo. Que tenhamos a confiança de dar os passos necessários rumo àquilo que está predestinado a ser nosso.
Que tenhamos sempre amor, principalmente nos momentos mais difíceis, nos momentos em que a paciência tiver de ser maior... Que tenhamos amor quando não estamos esperando, quando acharmos que não é mais possível amar tanto... Que o amor se prevaleça nas nossas ações...

Que tenhamos amizade e companheirismo para saber entender o outro e respeitar a sua opinião, o seu espaço, o seu segredo... Mas que saibamos partilhar os momentos, e que possamos descobrir o prazer da companhia um do outro até mesmo no momento de silêncio...

Que possamos descobrir os pequenos prazeres da vida... O sorriso sem motivo, o suspiro que as vezes quer dizer tanta coisa, o olhar que entrega, os cheiros que excitam, o tato que agrada... Um momento que não se repete, uma historia que será eterna, um abraço inusitado, um beijo roubado, uma declaração no meio da madrugada...

Que possamos descobrir e conhecer um ao outro nos detalhes, nos gestos, nas manias, nas escolhas... E aprender a aceitar e a amá-lo mesmo assim, e quem sabe um pouco mais...

Que possamos ser nós, e possamos nos apaixonar novamente todos os dias um pelo outro.. Pelas mesmas qualidades e outras novas, pelos mesmos defeitos e outros tantos novos que surgirem... Que possamos aprender que amar não é tudo na vida, mas é o essencial para serem dados os primeiros passos...

Devaneios Noturnos VII


Hoje é um daqueles dias em que eu não sei necessariamente o que eu quero escrever, só sei que que eu quero falar de nós dois. Não necessariamente para alguém específico, talvez só algum registro para a posterioridade, ou algo só para mim mesma... Enfim, não importa... Eu quero escrever sobre nós dois... Eu quero deixar registrado o quanto todas as coisas que eu sinto depois de tanto tempo ainda me surpreendem, como você consegue me surpreender, como você consegue me fazer apaixonar novamente todos os dias...
Estávamos conversando há pouco tempo exatamente sobre todas as adversidades da vida, e em como tudo entre a gente tinha possibilidade mínima de dar certo. Em como atravessamos os obstáculos e provamos que as coisas mais difíceis podem acontecer para nós... Como a probabilidade do caminho de duas pessoas como nós dois cruzarem é extremamente difícil, e mais ainda... Querer fazer esse caminho seguir para um mesmo rumo, seria quase impossível se analisarmos... Mas a gente consegue.. Mesmo com tanta coisa, nós conseguimos nos apaixonar, nós conseguimos ficar juntos, nós conseguimos nos encontrar, nós conseguimos acertar as nossas vidas. Tudo porque as coisas parecem ter chegado a um ponto que não dá para correr, não dá para negar. é estampado na minha cara o quanto você me faz bem... É estampado por cada post que você me marca, por cada mensagem somente escrita "saudades", pelos seus ciúmes bobo, mas sempre na medida certa... Seu amor na medida certa, seu carinho, seu companheirismo, seu cuidado, você... de repente não tem como negar que fomos feitos um para o outro. Não adianta nenhuma fala, nenhum "exemplo" que alguém queira dar nos dizendo que relacionamentos assim nunca dão certo, que nunca vamos ficar juntos. De repente, eu me sinto como a exceção de todas essas regras, de todas essas suposições. 

Eu sei que daqui um tempo, eu vou poder dizer para todo mundo que deu e que dá muito certo sim. que nós enfrentamos fases extremamente difíceis, que existiram momentos de fraqueza, momentos em que achamos que nada disso vai dar certo, mas que resistimos. Porque o que sentimos é demais para ficar guardado, é demais para não ser compartilhado com o outro... Por isso, eu sei que ainda não estamos ao lado um do outro, porque Deus está preparando o melhor para nós dois... As coisas vão acontecer no tempo certo e do jeito certo. Porque uma vez que estivermos juntos, nada... Absolutamente NADA vai conseguir nos separar... Não que a nossa vida vá ser um mar de rosas, eu tenho ciência, e sei que você também, que não vai ser assim. Mas sei que esse tempo todo separado, nos ensinou a sermos fortes e a lutar pela nossa felicidade sempre... 

Então, amor, eu quero dizer hoje que eu sempre, independente do quanto eu esteja impossibilitada, cansada ou qualquer coisa que possa aparecer para me derrubar, eu sempre vou lutar por você por nós... Porque você já me provou e me prova todos os dias o quanto foi feito perfeitamente para mim. O quanto eu preciso daqueles beijos, abraços e carinho para ser eu mesma novamente... Porque você me ensinou a ser alguém por inteira, me ensinou a amar de uma forma que eu achava impossível, me ensinou a ser uma pessoa melhor, a ter fé na vida e lutar pelo que acredita... Obrigada por arrancar sorrisos meus todos os dias e me fazer feliz sempre. Mesmo com malditos 2000km nos separando... Obrigada por me mostrar que você é o amor da minha vida definitivamente, e que eu não preciso ter dúvidas. 
Meu coração é seu, eu sou sua e eu quero, espero e luto que seja assim para sempre...
Amo você...

18 de julho de 2014

Days...


Tô devendo alguns dias, eu sei... Mas aconteceram duas coisas importantes que tomaram meu tempo e não me deixaram vir aqui postar nada. A primeira é que eu comprei meu primeiro jogo de video game
\o/
Sou quase uma nerd agora pq é um jogo tipo RPG e é totalmente viciante, porque envolve mágica,relacionamento com as pessoas, as suas decisões afetam o futuro do personagem e ainda tem fantasmas, zumbis, e pessoas que eu tenho que matar o tempo inteiro. E aaah, eu posso trocar de roupa da minha personagem o tempo todo, ou seja...É o meio termo perfeito que eu estava precisando entre jogo de mulherzinha e algum sangue para descarregar minha adrenalina.
xD
E acontece que eu acabo empolgando com ele as vezes, e e vou dormir muito tarde ou qualquer coisa do tipo. Mas o que importa é que Fable III é realmente MUITO bom!


Segundo ponto, que eu estou realmente empenhada em por no correio as coisas que eu venho prometendo para Thiago desde 2009... Então imagine... São APENAS cinco anos que eu vou ter que me VIRAR pra por em uma caixa pra mandar pra ele, pq né... Tem que ser amor pra explicar uma coisa dessas 
¬¬'
(zuando, amor..se vc por acaso estiver perdido por aqui,é amor sim *faz coração da Britney*)
E aí tem dia que eu fico até 4hs da manhã fazendo, então não dá pra ficar vindo aqui postar meeesmo... Mas gostaria de deixar registrado que mesmo minha mãe me fazendo de isaura dentro de casa, as coisas estão indo muito bem, obrigado! Só não estão melhores porque ainda não consegui definir a data da minha viagem
:'( 
E quanto mais tempo passa, mais difícil fica... Eu sei. Mas com fé em Deus as coisas vão dar certo e logo, logo tô em terras natalinas novamente. Amém! Façamos nossos planos e deixamos na mão de Deus que Ele sabe a melhor hora para tudo... 


Enfim... Voltando para meus afazeres porque os papéis não são cortados, nem escritos sozinhos...

14 de julho de 2014

Day 3

Hoje foi dia de celebrar os 182 anos da minha segunda casa, do lugar onde provavelmente eu vivi a maioria dos melhores dias da minha vida! Onde eu aprendi novos valores, onde eu aprendi a ser verdadeiramente católica e sobretudo Cristã!
Parabéns à minha igreja, à minha casa, o meu refúgio de tantos dias...

Day 2

Hoje foi dia de se apaixonar de novo...
Dia de refazer planos,de sonhar...
dia de jogar muito,de torcer pra Alemanha e mandar um: CHUPA ARGENTINA!!!!
Dia de fazer meus pais entenderem que eu to de FERIAS!!!!
(Essa última parte não com tanto sucesso :/)

13 de julho de 2014

1º Day


Primeiro dia de férias é dia de que???
Jogaaaar!
Como é bom ter velhos vícios de volta! E enquanto eu não entro na faculdade, eu posso fazer meu Sim fazer isso. Até pq, se é pra brincar com a vida, vamos fazer isso de forma correta


x)
Sim, eu estou AMANDO o jogo, mas ainda é muito diferente de tudo que estou acostumada com o the sims. É tudo mais corrido, dormir em alojamentos é interessante só até o momento em que as pessoas não ligam todos os sons da casa ao mesmo tempo, ou resolvem  discutir enquanto você tenta dormir. 

hahaha

Mas no mais é tudo que uma faculdade americana tem. Festas, provas, nerds, revolucionistas, socialites e até sims em forma de plantas (oq eu achei bem esquisito). O meu sim, como todos os outros é uma viciada em celular, que eu não posso deixá-la por 5seg que ela saca ele do bolso e não para mais. As carreiras são diferentes, as roupas e as personalidades também. Tinha me esquecido como é bom fingir ser outra pessoa por horas sem sentir...
x)
Mas amanhã provavelmente eu vou reiniciar o jogo, porque só agora eu entendi como tudo funciona e tenho que dizer qe sou uma antinha.


kkkkkkkkkkkkk
Enfim... Lá se foi o primeiro dia... Comprei marcadores novos para meus livros e papel contact para encapar outros tantos da minha estante. Vou estabelecer uma meta de pelo menos 1 livro e meio por semana. Vamos ver o que vou conseguir.
O dia só não foi melhor porque não deu para ficar totalmente sem falar sobre faculdade, sobre curso, sobre estudo e etc. Mas tenho fé que até dia 4 eu consigo pelo menos diminuir um pouco todos os discursos...
Vamos ver... Não encontrei a fórmula secreta ainda de ignorar tudo que as pessoas falam e viver praticamente como uma "autista". Meu psicólogo disse que isso requer paciência e que ele entende que uma pessoa como eu terá mais dificuldade para conseguir chegar a esse estágio. Só não sei se ele disse isso porque concorda, ou porque quer arrancar algumas muitas sessões de mim ainda para desespero da minha mãe
Mas enfim, como eu disse, estamos só começando. Serão muitos dias de dores de cabeça, de discussões, mas eu creio que ao final conseguirei sobreviver. Até lá, eu me contenho com The Sims e a ilusão de poder ter total controle sobre a vida...

12 de julho de 2014

Vem com tudo, férias!


Finalmente férias!
Finalmente um tempo para eu poder me ocupar co outras coisas que não seja aquele princípio de depressão idiota e todos aqueles choros, e pensamentos estranhos que andam me rondando.
Finalmente tempo pra mim!
Tudo bem que serão apenas 3 semanas, mas eu tenho que fazer com que elas valham cada hora, cada minuto, cada segundo.


Então, é preciso planejar como será tudo, e para isso eu vou tentar fazer uma listinha das coisas que eu pretendo fazer nessas férias, para que ela valham a pena. Não quer dizer claro que vou conseguir segui-la, mas só de estar planejando, já ajuda muito no meu estado, acredite.
Vamos lá...



O que se fazer nas férias de Julho/2014

1- Estudar - Sim, eu sei. É contraditório ser o meu primeiro item da lista, mas eu tenho uma Federal para conquistar até o fim do ano;

2- Por meus seriados em dia. -  Damooon, como eu sinto sua falta, babe :'(
3- Assistir a filmes que comprei. -  Do inicio do ano até agora foi uma lista considerável, portanto eu devo fazer outra lista com os filmes que tenho que ver nas férias. '-'
4- Ler. Juntamente com minha lista de filmes, eu nem preciso dizer que minha lista de livros está GIGANTESCA! Fazer uma lista para organizá-los também será necessário
5- Viajar sozinha.  Por favor, Deus, deixe isso ser possível.
6- Escrever mais. -  Foram recomendações do meu psicólogo, portanto, vamos tratar de segui-la!
7- Conhecer gente nova. - Pleeeeeeeeeeeeeeeeeeeeease!

8- Ir ao cinema.  É diferente dos filmes que vejo em casa ><
9- Dormir! - Pelo menos até acordar sozinha e não com minha mãe gritando

10- Aprender algo novo.

Acho que por enquanto é uma lista bem razoável. Vou tentar cumprir aos poucos, e à medida que isso for acontecendo, eu tento postar os relatos aqui. Assim, eu estarei realizando duas tarefas ao mesmo tempo
xD
Eee, é isso... Sejam bem-vindas próximas 3 semanas felizes da minha vida! Que vocês sejam o suficiente para fazer com que tudo melhore e tudo passe....

3 de julho de 2014

DPL profunda

Estou oficialmente com depressão pós livro. Eu sei, isso não chega a ser beeem uma novidade. Mas dessa vez acho que é diferente... Talvez porque o meu emocional anda uma verdadeira porcaria, e esses livros realmente acabam por nos tocar de certo modo, mas eu não to legal..
Acho que nunca chorei tanto de um meio pro fim de um livro, e nunca um livro de romance me ensinou tanto. Me ensinou a ter fé em coisas que eu acreditavaa que nem precisava, me ensinou que quando estou com medo é quando tenho mais forças para seguir em frente, e a encarar os desafios como dádivas do dia a dia. Eu sei, essas coisas parecem realmente óbvias quando ditas assim, mas acredite, não são. Nada disso é fácil principalmente se você perdeu a noção de todas elas, a noção dos sonhos, há algum tempo.
Por mais que a leitura tenha me feito desidratar, Ruin (irônico, eu sei), é um livro que definitivamnete entra para o hall de livros que me ensiram muito, e que provavelmente eu irei reler no futuro. Afinal, mesmo com tods sua filosofia e sabedoria, ele é um romance. E toda garota precisa de uma dose de suspiros apaixonados, declarações rasgadas, de viver um pouco disso... Mesmo que seja pela vida de um personagem...

21 de maio de 2014

Eu sei... Eu sempre digo que queria que as coisas fossem mais fáceis. Mas tem hora que realmente cansa levar tanto na cara, perder as coisas, perder até mesmo a vontade de tentar seguir adiante...
Às vezes é realmente melhor guardar as coisas para mim do que tentar compartilhar com alguém... 
Eu não posso fazer mais nada, mas estou dando conta de que aquele muro já está alto demais de novo, e dessa vez eu não sei se quero deixar ninguém entrar...


19 de abril de 2014


Familia ê, família ah... Família!

18 de abril de 2014

Devaneios Noturnos VI

Engraçado como uma folha em branco às vezes assusta... E essa não é a primeira vez que isso acontece. Essa angústia, essa necessidade de escrever sobre algo, sem saber ao certo sobre o que "falar"...
Às vezes é só a necessidade de por para fora, de tentar expressar de alguma forma isso que tá aqui dentro e incomoda tanto...

O problema é que a folha assusta por não conseguir organizar as ideias e pensamentos de maneira que tenha alguma coerência quando escritos... 
Faz sentido?

A sensação que eu tenho é que nada mais faz... Há algum tempo já eu tenho essa sensação... De não conseguir pensar e refletir de forma coesa os meus planos e sonhos. Talvez se fizesse isso, conseguiria arrumar alguma forma de pô-los em prática mais rápido...
Escrever hoje significa me aliviar um pouco desse peso todo que ando carregando... Ultimamente eu ando mais cansada que o normal, mais reservada que o normal, mais estranha que o normal (se é que isso é possível). Não era para ser estranho afinal.. Eu já me acostumei de certa forma a ser assim... Mas de uns tempos pra cá, as minhas crises estão me assustando... Os choros demoram mais a passar e temo que o travesseiro não dê conta mais de ser meu consolador.. Não é que eu queira me abrir pra alguém e despejar meus medos e angústias (que estão me matando), acho sinceramente que ninguém merece viver ouvindo meus lamentos... Mas parece que chorar ultimamente não anda sendo suficiente. As lágrimas não estão mais conseguindo levar tudo pra fora, me lavar, me aliviar, como sempre fizeram. Agora o choro só serve para me deixar com o rosto inchado marcado pelas horas em que o soluço foi a minha única fala. 
Não é fácil ser assim... Foi uma escolha que fiz há muito tempo e eu sabia que iria ser difícil... Mas as vezes eu só queria poder contar com um colo que não me fizesse perguntas, que não me desse lição de moral por achar que sempre estou errada, um colo que só servisse para meu amparo, que me fizesse um carinho no cabelo e me dissesse "vai ficar tudo bem"... Mesmo eu sabendo que não vai ficar, mesmo eu sabendo que pode demorar... Mas custa muito alguém assim? Para parar de me julgar pelas minhas faltas, ou que ache que minhas faltas são justificativas para distrair de seus próprios erros? Será que amizade hoje vai se resumir a isso?
Sinto falta dos meus velhos amigos, ou dos momentos que costumava ter com os novos...
De repente, eu me vejo sozinha no chão de um banheiro, onde as lágrimas e a água se misturam, e o único barulho é o da água batendo em mim... Nem forças para chorar me restam mais... E o choro é por tudo. Mas principalmente por mim mesma... Por não ter descoberto ainda um rumo definitivo, e sem saber se este caminho que estou tomando, essa estrada em que estou me arriscando, é a que vai me levar para a felicidade no fim do dia... É a que vai fazer meu choro calar, e meu sorriso voltar a sair fácil de novo...
Eu quero achar graça de novo nas coisas bobas, achar até os dias nublados bonitos, achar que qualquer música é válida para um momento de festa...
Tô cansada de não enxergar mais as cores, de só ouvir zumbidos, de não conseguir sorrir genuinamente...
Saudades da minha vida antiga, quando as decisões eram fáceis, eram certas... E o choro era de alegria....

11 de abril de 2014

Saudades de escrever... De ter tempo para postar as minhas linhas por dia... de ter um tempo  pra mim...
Estou extremamente cansada de tanta coisa, e tão confusa quanto a outras que toda vida para mim foram tão óbvias...
Eu  queria realmente entender o que está acontecendo comigo, porque anda tão difícil de pensar, de escrever, de querer correr atrás daquilo que se quer. Afinal, não é assim que tudo deveria ser? Descomplicado...??
As coisas deveriam ser mais simples, mais rápidas, mais certas...
Quero voltar a tempo de escrever todos dias, de poder tirar o dia pra mim mesma, ordenar pensamentos, ordenar os planos... Tô querendo férias porque não to aguetento mais essa situação...Às vezes um tempo de tudo isso e poder ficar comigo mesma...

5 de março de 2014

Page 63 of 365


Um dia daqueles em que nada deu certo...

Page 62 of 365

Por que alguns amigos são verdadeiros tesouros e fazem todo o resto valer a pena...

4 de março de 2014

61 of 365

Dói saber que algumas pessoas que vc considerava irmãs, se perderam no meio do caminho...

3 de março de 2014

Page 46 to 60 of 365

Eu sei, eu estou devendo muitas linhas... E eram linhas importantes para mim... Nesses últimos 15 dias eu tive algumas lições que eu gostaria de ter compartilhado aqui uma por uma, mas infelizmente meu celular, e nem meu computador estão facilitando a minha vida.
Mas já que parece que as coisas estão voltando ao normal,eu gostaria de deixar registrado da mesma forma o quanto o universo é injusto, o quanto é bom ter amigos, o quanto pessoas estragam relacionamentos por besteira, e o quanto amizades que você jurava que seriam eternas,podem ser sim desfeitas.
Não, eu não vou explicar cada uma delas, mas eu sei que foram lições importantes, foram linhas importantes, e infelizmente essas não serão apagadas...

15 de fevereiro de 2014

Day 45 of 365

E então me fizeram questionar: quando vamos parar de por as expectativas no futuro, e começar a viver o presente?

13 de fevereiro de 2014

Day 44 of 365


E as vezes de tanto bater forte, o coração começa a apanhar...

12 de fevereiro de 2014

Page 43 of 365

Tem gente que tem o poder de alegrar seu dia de forma fácil
x)

11 de fevereiro de 2014

Page 42 of 364


Um passo de cada vez...

10 de fevereiro de 2014

Page 41 of 365

Hoje é dia de voltar para o caderno e tentar me "esvaziar" um pouco... 


Page 40 of 365

Eu queria que respirar fosse suficiente para aguentar todas essas saudades...



9 de fevereiro de 2014

Devaneios da Madrugada...


Às vezes eu me surpreendo em como as coisas na nossa vida tomam certos rumos engraçados.. Como certos sentimento mudam com o tempo... Sei lá, talvez eles apenas amadureçam, ou apenas mudem.
Eu sei que precisei de alguns anos para poder notar isso, e por mais que pareça muito, é exatamente o tempo exato para tudo acontecer da melhor forma possível...
Às vezes os sentimentos são confusos e eu penso como que consigo estar chateada e poucos instantes depois ele consegue fazer com que tudo suma... Como que eu posso estar tendo um dia péssimo, um mau humor daqueles que me fazem não querer levantar da cama e desejar que o dia acabe mais cedo... Mas se ele fala comigo é como se tudo se resolvesse...
Como o tempo passou e todo o sentimento amadureceu, ou simplesmente mudou... Eu não sei, mas está diferente, e para melhor... Por exemplo, eu vejo hoje quando ocorrem algumas de nossas raras discussões, o orgulho pode impedir num primeiro momento de puxar papo, mas isso passa rápido e alguém sempre manda uma mensagem... Aqueles problemas de antes não incomodam mais como antes, os outros problemas que vieram com o tempo também não... Mas está diferente... Está mais leve, mais certo... Como se de repente eu percebesse que não importa o rumo que as coisas tomem, eu e ele vamos ficar juntos no final... Como se isso estivesse planejado para acontecer há tempos...
Não é que eu acredite piamente em destino e almas gêmeas que estavam predestinadas a se encontrarem desde o inicio... Mas quando eu repasso a historia toda na minha mente... É tão difícil de imaginar que tudo um dia seria realmente possível... Como que o destino agiu na minha vida e na dele de forma em que o tempo para todas as coisas foi perfeito... Desde aquele dia 2 de junho quando nos conhecemos, como aquele 10 de maio em que paramos de nos falar... 19 e 20 de janeiro em que finalmente nos encontramos... Parece que exatamente tudo deveria ter acontecido em nossas vidas naquela época... E parece que o amor aprendeu muito nesse tempo todo.. Aprendeu a ser paciente, a perdoar, a conviver, a esperar...
Parece que finalmente entendi o significado de tudo isso, do que é amar... E olha que eu tinha certeza já ter conhecido isso antes. Mas... Com ele é diferente de tudo que já aconteceu, de qualquer coisa que eu tenha sentido... Tem sim aquela coisa toda de frio na barriga, do nervosismo, de querer estar ao lado sempre... Mas até nessas coisas que deveriam ser comuns, a sensação é mais intensa... Se antes eu me sentia como em uma montanha-russa, dessa vez eu me sinto em um daqueles brinquedos quase-assassinos nos prédios altos de Las Vesgas. Mas com a diferença enorme de que eu não me importo de estar lá, eu quero estar sempre... Sentir tudo isso que me pode ser proporcionado a todo momento, em todos os dias se possível.. Por isso minhas decisões de mudança de vida que envolvem ele não são tão "radicais" como algumas pessoas dizem... Tudo em mim pede para estar ao lado dele, cada parte de mim... Como se precisasse dele literalmente para se sentir bem, sentir feliz...
Clichê? Um pouco... Mas é quase que a única forma de se explicar como as coisas acontecem...
A cumplicidade, o carinho, as brincadeiras, meu ombro amigo, meu melhor em praticamente tudo...
Eu o amo com tudo de mim... Mesmo sendo confuso tudo isso, mesmo eu não conseguindo definir direito esse amor... Mesmo ele me desestabilizando quando eu achava não sentir nada mais, ou quando achava que sabia tudo sobre amor... Ele veio e me ensinou muito mais... E me ensinou como pode ser perfeito, na dose certa, na hora certa... Do nosso jeito que dá tão certo... Do seu jeito que só me faz te amar mais...

8 de fevereiro de 2014

Page 39 of 365

Porque sentimentos são tão confusos???

7 de fevereiro de 2014

Page 38 of 365

 
Tentar me acostumar que algumas pessoas simplesmente escolheram não me ter mais em suas vidas... 

6 de fevereiro de 2014

Page 37 of 365

Retribuir um favor nem sempre é agradável...


5 de fevereiro de 2014

Page 36 of 365




E se eu desmoronarSe não pudesse mais aguentarO que você faria?
...

4 de fevereiro de 2014

Page 35 og 365

Já sentiu algo parecido com medo de perder de verdade um grande amor...?

3 de fevereiro de 2014

Page 34 of 365

Às vezes nem é uma opção...

Page 33 of 365

Impressionada com o poder de uma TPM...


2 de fevereiro de 2014

Page 32 of 365

Dói respirar, dói espirrar, dói só de vc olhar pra mim. Nariz, senta aqui e vamos conversar porque tá difícil...


31 de janeiro de 2014

Page 31 of 365

Eu me enganei.. Eu ainda consigo me machucar depois de tanto tempo... 



Page 30 of 365

Engraçado como você tem tudo planejado e de repente, tudo fica mais difícil e diferente..

29 de janeiro de 2014

Page 29 of 365

Por que dormir anda sendo uma tarefa cada vez mais difícil??
><