16 de agosto de 2014

Será que é exigir tanto assim? Que alguém sinta sua falta... Que alguém se importe com você a ponto de vir atrás.. De realmente se interessar se você está bem... Será que é pedir muito para que você seja aquilo que ele sempre quis? É pedir muito que você se torne aquilo pelo qual alguém lutaria...? Aparentemente é quase impossível imaginar que essas coisas um dia podem acontecer. Ou talvez os malditos filmes de comédia romântica tenham me estragado, e no fundo eu acabe achando se existe alguém que ficaria pelo menos cinco minutos do seu dia, perdido em pensamentos sobre um possível "nós"... Ou ainda que eu não tenha necessariamente encontrado essa pessoa, mas que isso ainda vai acontecer... Vamos nos  encontrar na rua e trombarmos, e quando ele me olhar nos olhos para pedir desculpas, eu vou sentir um frio na barriga e eu vou saber que o universo inteiro tinha conspirado para que aquele momento acontecesse. Ou vamos nos encontrar na fila de um café -quando eu começar a frequentar um- ou de um banco. Não importa... Nossos destinos estariam predestinados a se encontrarem um dia, e em um futuro -distante ou não- nos dedicaríamos a fazer um ao outro feliz. 
Definitivamente eu estou estragada. Ou talvez apenas carente demais, sonhadora demais, idiota demais. Eu nunca acreditei nas historias infantis em que príncipes apareceriam em cavalos brancos, ou vampiros em volvo cor de prata. Mas os filmes me fizeram acreditar que um final feliz talvez fosse possível.. Talvez por serem pessoas reais, por serem histórias até passíveis de acontecerem, se não fossem tão utópicas. Nenhum cara vai ser o Zac Afron que fica congelando em um parque por 4hs te esperando para tentar de novo. Nenhum cara vai ser o Justin Timberlake que contrata um flashmob e para a estação de metrô de NY, para declarar o seu amor. Nenhum cara vai fazer nada dessas coisas por mim, nem por ninguém. Ninguém vai ter fazer sentir que você vale a pena, que você é única, que você é o amor da vida de alguém. Essas ilusões são puramente femininas, e provavelmente as colocamos em nossas cabeças como uma forma de enxergar a vida de uma maneira menos dolorosa. 
Ouvi dizer há algum tempo, que nunca nos casaremos com quem amamos de verdade.  Talvez seja algo verídico. Talvez nós nem consigamos conhecer o amor de nossa vida de fato um dia. Afinal, são mais de 7 bilhões de pessoas no mundo, e absolutamente nada pode garantir que essa pessoa do seu lado é o seu "grande amor de estrelas cruzadas".
Não é ser pessimista, é ser realista. É difícil imaginar tudo isso, processar tudo e ficar pensando se há algo em que possa ser útil. E não existe... Talvez a dúvida de se “estar ou não acertando”, seja aquilo que nos impulsiona a acordar todos os dias e esperar por uma fila, por um encontro ao acaso, por uma apresentação amistosa... Algo qualquer, que possa ser a chance de sentir borboletas no estômago, ter a certeza que se sente completa, que encontrou alguém para chamar de "seu".
Talvez a dúvida seja o que vá fazer você se esforçar para fazer o outro feliz...
Acontece que eu estou a fim de ser esse "outro" para variar um pouco...



8 de agosto de 2014

Devaneio Noturno VIII

De repente você se torna refém do tempo, refém das palavras, das promessas... Mesmo você tendo certeza que elas não serão cumpridas. Se agarrar a algo assim é muito mais fácil do que se desprender. Praticar a lei do desapego é algo muito simples nas músicas e livros que leio. Na vida real as coisas são bem mais complicadas...
Se desapegar significa abrir mão de tudo que você já acreditou e lutou fervorosamente para defender um dia. É assumir que estava errado, que é fraco, que não aguenta mais caminhar com um fardo tão pesado, com uma bagagem que às vezes te impede de caminhar. O peso das memórias, das escolhas, do passado em si é muito maior do que o que estamos preparados para carregar as vezes. Seria mais fácil largar tudo no meio do caminho e começar uma caminhada nova em folha, colhendo novas coisas para se carregar nessa mala nova... Mas parece que o passado se apega em tudo em você e te obriga a arrastá-lo por onde você for. O passado se torna uma praga, daquelas que você não conhece um veneno bom o suficiente para externiná-lo de vez...
Você acaba se tornando refém de suas amarras, de suas tramas, de suas "ciladas" tão bem preparadas para te jogar na cara todos os dias aquilo que você tanto luta para deixar para trás...
Ninguém nunca disse que crescer seria fácil, e eu nunca desejei que fosse. Mas eu não queria que o processo fosse tão doloroso. Queria que o médico que me disse há alguns anos que eu sofreria de dores do crescimento, tivesse me dito que não se referia apenas às dores nos meus ossos, mas que o coração também é capaz de se machucar, de sangrar, de chorar...
Não, não é fácil, mas eu não quero ficar presa à estas amarras, eu não quero ser refém  do tempo. Eu quero andar para onde quiser, na velocidade que quiser, com quem eu quiser.. A busca pela felicidade é constante, como realmente deve ser. Mas está na hora dela começar a der proveitosa, enriquecedora, nova e principalmente... Feliz...



6 de agosto de 2014

As pessoas dizem que sofrer faz parte do crescimento... Tudo bem, eu aceito essa condição. Porém, eu não consigo aceitar a ideia de ter que sofrer por muito tempo. Para que? Qual o objetivo? Porque não doer tudo que tem de doer, chorar tudo que tem de chorar, pensar em todas as ideias suicidas que você pode pensar, e deitar a cabeça no travesseiro e ter uma merda de uma noite de sono, mas para no outro dia estar de pé e nova como folha? 
Por que temos de ter "estágios" do sofrimento? Por que prolongar algo que definitivamente não faz bem? Eu queria que a resposta fosse algo simples como "mas isso é uma escolha sua". Não, não é... Se fosse escolha minha, eu já estaria longe, teria apagado todas as memórias, todos os cheiros e gostos e estaria tentando viver a minha vida. Mas de repente, por causa desse maldito sofrimento tudo se arrasta, tudo passa mais devagar, tudo lembra algo que luto tanto para ser esquecido.
Desculpe-me, mas eu não vejo como algo tão desesperador pode ajudar alguém a crescer, a ser melhor, a esquecer de vez. 
Maldito tempo... Que castiga a cada segundo que passa no relógio e não faz as coisas ficarem mais fáceis. Sim, eu quero facilidade! Já apanhei demais da vida para continuar levando tanta rasteira, tanta apunhalada, tantas "lições de crescimento". Eu não quero crescer... Eu quero ser feliz... Será que depois de tanto tempo é pedir muito...? 



E todas as pessoas são um pouco monstros... 



4 de agosto de 2014


                                           

Amanhã as aulas começam, os novos projetos se iniciam e as coisas aos poucos vão sendo colocadas no lugar. Exatamente tudo que eu preciso... Ocupar a mente, parar de pensar no que não devo, parar de criar expectativas. Viver para mim, fazer o que eu quero, buscar os meus sonhos, mesmo que eu precisei mudá-los um pouco... 
Rotina... Nunca achei que fosse gostar dela, mas pelo visto ela será minha salvação...
Que venha o novo "começo", e que seja doce...

2 de agosto de 2014


Eh so um fds... É todo o tempo que vc precisa... 

1 de agosto de 2014


Eu só... Não aguento mais...