2 de dezembro de 2014

Para falar um pouco sobre amor...

Texto para ler ouvindo: https://www.youtube.com/watch?v=eAeteudJ5g0



Hoje eu resolvi falar sobre amor. Passei o dia inteiro pensando na verdade o que seria esse sentimento e porque ele consegue ser tão ridículo. No bom sentido, eu acho. Mas o pensamento na verdade foi sobre como um único sentimento pode se manifestar de tantas formas diferentes, em pessoas diferentes e em momentos diferentes. E em como ele pode se transformar em uma facilidade única em ódio, raiva, rancor, tristeza, mágoa... Então porque um sentimento como esse ainda é algo bom? Ainda é considerado por muitos o desejo maior da vida, encontrar ser verdadeiro amor? Como um sentimento que pode causar tantas frustrações, pode ao mesmo tempo ser tão almejado?
Na verdade é bem simples. Da mesma forma que ele se transforma em todas essas coisas, ele pode voltar a ser amor. É estranho eu sei, mas eu consegui compreender isso depois de um tempo, depois de perceber que quando você realmente ama de verdade, você passeia por esses sentimentos constantemente, mas no fundo, tudo volta a ser amor. Às vezes ele pode voltar no tempo, às vezes volta tarde demais e passa a ser apenas uma lembrança de dias bons ao lado de alguém que um dia você achou que iria compartilhar a sua velhice e viver para sempre. 
O amor é engraçado, porque eu descobri que só poderia entendê-lo quando parasse de tentar. Ele se desenrola na sua frente e mostra que enquanto continuar tendo esse orgulho idiota, ele não pode ocupar um espaço na sua vida. Que ele quando chega, trás algumas coisinhas com ele na mala, como o ciúmes, a insegurança, o medo da perda... Mas que são coisas normais, necessárias para que o amor cresça. Mas que em excesso essas coisas ocupam o lugar dele, e ele foge sufocado. Entendi que ele sempre vai ser confuso, que ele dificilmente vai saber o que realmente quer, que vai gritar por atenção muitas das vezes e vai ser impaciente em outras. Mas se cuidado com bastante zelo, será maior que tudo no final.
Foi por isso que eu percebi que quando conheci o amor de verdade há alguns anos, ele chegou com essa bagagem completa, e entregou uma parte enorme de mim para que outra pessoa cuidasse. Nem sempre os cuidados serão minuciosos, mas serão aqueles necessários. E sei que as chances de conseguir ganhar esse pedacinho de volta, são mínimas. Por isso, meu coração vai ser quebrado... Muitas vezes e pela mesma pessoa. Mas essa mesma pessoa vai ser capaz de reconstruí-lo, quantas vezes for necessário... Não, não é algo que eu goste, ou que eu aceite. É algo que eu já percebi que vai acontecer... Pra sempre? Não, eu tenho certeza que não. Só até eu conseguir uma forma de tomar esse pedaço de volta, ou então, ele aprender o qual frágil isso que ele carrega é, e evitar ao máximo trincá-lo, machucá-lo ou até mesmo quebrá-lo. 
Amar não é tarefa fácil. Ninguém nunca disse que seria. Também nunca me disseram que seria tão difícil, mas me disseram que vale a pena... Se apaixonar não é de todo ruim, afinal. É doloroso, mas os momentos juntos, aqueles momentos únicos, aqueles momentos que ninguém mais vai ser capaz de te proporcionar... Eles valem a pena. 
Se estou pronta para essa montanha russa? De forma alguma. Eu queria poder simplesmente achar um botãozinho de "stop" e fazer essas coisas sumirem. É muito complicado para entender, para viver, para querer... Mas não está no meu controle... Eu não escolho sofrer, mas escolho crescer e tentar aproveitar tudo da melhor forma possível. 
Então senhor "melhor sentimento do mundo"... Se quiser fazer as pazes comigo, estou a disposição para escutá-lo, talvez entrar em um consenso, e podermos achar o melhor caminho para andarmos por essa vida, que sem você, definitivamente, não tem tanta graça...




0 comentários: