17 de fevereiro de 2015

Devaneios da Madrugada II

Aquela sensação assombrosa de novo de solidão... de que as coisas não estão bem, mas você não tem um colo ao qual recorrer... Você não tem alguém ali de prontidão para te escutar, ou para te ler, ou apenas para literalmente te por no colo e mexer no seu cabelo até você dormir...
As coisas não vão bem e você não tem idéia a quem recorrer para ter um momento de lapso e esquecer seus problemas por míseros segundos. Poder fazer de conta que sua vida não está de cabeça para baixo e que você não faz idéia do que fazer...
Você está sozinha na sua confusão de pensamentos, na sua confusão de idéias, está na sua falta de solução. Chorar não é uma opção, você já aprendeu a duras penas que não resolve a vida. Pode até aliviar, mas a única coisa nova no dia seguinte, é o travesseiro marcado de rímel.
Respirar fundo também não ajuda muito. Somente a não tomar tantas decisões precipitadas. O problema é que depois que elas passam, você percebe que não tem nenhuma que seja apta.
Você corre pela sua agenda de contatos e percebe que naquela situação específica não há ninguém para te ajudar, porque o que todo mundo vai fazer é jogar o dedo na sua cara e te dizer o quanto você está errada, e nem sempre é disso que se precisa. Você precisa de conforto, de se sentir amada, de se sentir importante para alguém. Sentir que você faz falta ou que você faz diferença na vida de pelo menos uma pessoa.
Hoje infelizmente eu não consigo perceber isso... Eu não vejo como me mudar, por exemplo, afeta a vida de alguém. Talvez da minha mãe por não me ter para almoçar todos os dias, mas ao mesmo tempo também não vou estar por perto sugando seu tempo. Talvez meu pai sinta de sair comigo aos sábados de manhã, mas ao mesmo tempo ele terá mais tempo para fazer as coisas dele e não me chamar atenção pelos meus livros ou algo semelhante que o irrite. Talvez meu irmão sinta falta de nossos açaís, mas eu o estou livrando de todas as vezes que ele teria que me levar ou buscar de algum lugar... Talvez meus amigos... Mas eu tenho certeza que eles encontrem outra pessoa para falar todas as besteiras que eu falo..
Aprendi as duras penas que ninguém é insubstituível. E acreditava que isso não era verdade, era só uma desculpa que minha mãe me dava para eu não me preocupar com meu trabalho excessivamente. Mas ela estava certa... todos nós somos passíveis de sermos substituídos. É só que.. a impressão é que eu fui substituída rápido demais, e na vida das pessoas que estou entrando agora, não existe espaço para mim....
Eu não sei como serão os próximos dias, os próximos meses ou talvez anos sozinha... Mas espero ter forças o suficiente para enfrentá-los....

2 comentários:

Touché disse...

As coisas tendem a ficar melhores, mas é difícil passar por esses tempos as vezes.

Touché disse...
Este comentário foi removido pelo autor.